Liberdade para ser vestir-se como uma sexy girl...Street style real... Pelas ruas de Milão...


Tô nessa de retomada de tudo e acho que a moda anda comigo. Olhando ainda as fotos que não publiquei nos últimos tempos e, em meio a discussões pesadas no Face e na realidade sobre a condição feminina, encontro essa foto que eu fiz em Milão 2014. Street style real. Um anúncio do que veríamos nas passarelas da Louis Vuitton em 2016? Ou apenas uma moda que permanece e as marcas sacaram que é bom investir nesse estilo por que vende?  A verdade é que as ruas reais são uma grande inspiração para todo mundo que cria e quer conectar com o que acontece e com os consumidores que estão na órbita. Por isso, Yves Saint Laurent fazia viagens por países que estavam na moda enquanto era criador de sua própria marca e sempre voltava com coleções que traduziam o ar daqueles tempos. Agora a vibe é a mesma. Ir em busca do que o povo quer consumir, do que as mulheres querem comunicar e do que queremos usar. Parecem ser a mesma coisa, mas não são. Tem gente que consome para gastar. Outros para provar que estão em uma determinada escala da sociedade e outros apenas porque curtem se vestir e se sentir bem dentro do que usam. Dentre esses personagens que fazem a grande gama de consumidores de hoje e confundem a cabeça de muitos estilistas ( por isso existem resultados tão desastrosos, além da falta de gosto de quem realmente tem grana para comprar. Outra discussão) estão as garotas sexys ou sensuais como a da foto. Quem nunca viu um personagem desses em um filme, um desenho japonês ou 
uma mulher que não tem origem oriental mas se veste assim? Quem nunca deu passagem a essa mulher com jeito de fatal e toque de menina? Pois é. Eu gosto e muito desse tipo de código e sabe por quê? É uma provocação à liberdade de expressão através da roupa. As mechas vermelhas, as meias sensuais, mas divertidas, a bolsa dando o toque nada a ver com o look que faz ela não ser tão certinha e por isso mais a ver ainda com a real mulher que somos. Enfim. Taí um look que dá de 10 no da mulher de botas longas e minissaias. Taí uma opção excelente para brincar com seus poderes de sedução, sem ser igual às outras mulheres picadas pela mosca da modinha que todas querem fazer igual. Fica a minha dica. Eu já comprei as minhas meias sensuais que não são iguais as da foto, mas que vão me tornar, a minha maneira, uma sexy woman. A hora é agora. Vestir-se para a sedução de si mesma. Sentir-se linda, poderosa e pouco importa o olhar que os outros vão lhe enviar. Liberdade ma belle... Somos todas livres para isso. E vamos fazer valer essa nossa força. 
Bisous
A+

2 comentários:

Anônimo disse...

ciao ana!
eu tenho uma curiosidade que talvez voce possa me ajudar a esclarecer: os tecidos. sempre achei que o estilista tem uma ideia pra uma peça, mas ainda nao tem o tecido "imaginado", ou é o contrario? hà muitos anos atras me disseram que existe uma feira de tecidos na alemanha importantissima. como funciona isso? o estilista compra o tecido e depois cria a peça ou cria o tecido e depois a peça. as estaçoes sao tao perto, depois tem as cruises. como eles fazem?
um beijo

Anônimo disse...

...completando: e ouvi dizer tambem que quem manda na moda sao os fabricantes de tecidos!!!
ah sim, sou a fatiminha - fatima celentano xx

LinkWithin

Posts relacionados