Street-style, beauty, Paris, London, SS15... John Galliano Martin Margiela, Zimmer Brasserie...


Hoje foi uma segunda especial. Me preparo para um recomeço. 2014 é meu ano de novos projetos. A galeria de street beauty especial para a Vogue Brasil é um deles. O desafio era fugir do lugar comum do street style. Fui atrás dos rostos. Amo portraits. Tanto que tenho um livro deles. Olhares. A expressão mais profunda de um fragmento de vida. Doido você captar uma imagem, um sentimento para uma foto. A galeria completa está no site. Entra lá e curte acessando aqui.  Espero que gostem. Eu amei ter feito. A essência do meu trabalho concentrada para lhe dar vida nova. 

E sabe qual foi a primeira boa do dia para mim hoje? John Galliano is back! Ele volta para a moda em janeiro de 2015 na couture da Maison Martin Margiela.  Enfim a redenção de Galliano. Um gênio que faz falta, assim como Marc Jacobs. A moda precisa de espetáculos. De sonho. Se não fica tudo muito comum.


Uma dica de Paris?


Terminei meu dia na brasserie Le Zimmer. Chovia, mas eu queria muito sair e afinal chuva é combustível para parisiense sair de casa. Os cafés, bares, restaurantes e brasseries lotam em qualquer dia da semana. Hoje, segundona, mas quem se importa com isso? Coloquei um trench bege vintage da Burberry 
 (eu e mais da metade das pessoas que estavam na rua! Democracia fashion) herdado da minha tia e me joguei no metrô. Rapidinho estava lá dentro. A Zimmer existe desde 1896 e fica ao lado do Teatro do Chatelet, bem no centro da cidade. Tem uma história de ligação com a arte, pois todo mundo passa ali para tomar um drinque ou jantar, antes dos espetáculos. A restauração foi feita pelo mesmo decorador do Hotel Costes, o Jacques Garcia. Isso aconteceu em 2000.  Quem já frequentou a Zimmer? Picasso. Vaslav Nijinski. E até eu queria ter vivido naquela época para ser habitué  Quer mais? Vai conhecer quando passar por aqui. Parece que a gente entra no túnel do tempo. A boa é que o lugar é restaurado, então não tem o ar decadente de alguns que se perderam entre o glamour da história e o puído do tempo (coisa nada rada em Paris).  Acesse: Le Zimmer. Obs: não comi. Tomei duas taças de vinho. Não é barato, mas também não é exorbitante. Dá para encarar, sem ter que ficar dias economizando depois como é o caso de ir frequentemente ao Costes, por exemplo. Oui! Para ficar na Europa há que se economizar baby. Vir de férias é uma.  Morar é outra. Bem diferente. 

Bisous
Amanhã tem mais
A+

Um comentário:

Anônimo disse...

adooooooooro!
escreve ana clara! escreve!
te amo!

LinkWithin

Posts relacionados