Dior, Issey Miyake + Street Style



Só quem vive intensamente uma temporada de moda consegue imaginar como absorvemos as informações, mas não conseguimos publicar tudo de uma vez. A assimilação não é na mesma intensidade da absorção. 
Bem, aqui estou cansada após nove dias de correria intensa e muitos dead-lines diários. A gente entra num turbilhão onde, além dos desfiles (que não rola ver todos, até por que não recebemos convites para tudo) temos a convivência e encontros com fashionistas que lotam Paris. Além de festas (que eu não fui a nenhuma!!!), cafés, almoços, jantares ou simples bate-papos entre uma apresentação e outra, o que para mim é a melhor parte. Poder passar uma tarde ao lado de Costanza Pascolato enquanto íamos de um desfile para outro, é mais que ver uma centena de desfiles juntos. Puro aprendizado para a vida.  
A roupa em segundo plano, mas vamos lá... Dior com seu total branco é algo que as ruas mostram e muito. Monocromia, principalmente no branco, é algo para se tentar fazer. Não é fácil acertar!

SOBRE OS CONVITES


Existe uma espécie de roleta para recebê-los. Têm temporadas que a Dior convida, mas Chanel não. Em outras sou surpreendida com o meu primeiro acesso ao mundo de Valentino e de Issey Miyake. Foram dois desfiles inesquecíveis... Mágicos! Tem algo de muito especial ali. Depois de oito anos vivenciando muitas Fashion Weeks por ano, a conclusão: é apenas um desfile. Sempre tem um outro a vir. Mas de todos que vi até hoje, dois me marcaram mais: o do trem de Marc Jacobs e o do Leão da Chanel. Já postei aqui no blog (visite os arquivos).


A MODA É


Pense em cores fortes, bijus e fendas...


Raf Simons realmente revolucionou a Dior. Seus tons de cores bold da temporada passada influenciaram tudo que vemos hoje nas ruas e fast fashions. Quero algo, nem que seja uma touca ou uma biju da Dior, coisa que...



Eu já tenho! Entrei numa fila de espera que não me chamou nunca, mas numa passada por um outra loja da marca consegui comprar o brinco tribal de pérolas. Hit absoluto da saison... Todas têm! Costanza usa vários, já que eles saíram em versões pérolas, dourado, prateado e coloridos. Aqui custam à partir de £270,00 (depende o material). 

SOBRE ISSEY MIYAKE



Uma das apresentações mais calorosas foi a de Issey Miyake por Yoshiyuki Miyamae. Já no começo, perfomance com aquele que é o maior trunfo da marca: os plissados fizeram 20 anos em 2013 e ainda conseguem ser inovadores quando debruçamos nossos olhos sobre eles. 
A técnica desenvolvida por Miyake é fazer uma roupa dois ou três tamanhos maiores do que a que ele quer produzir e depois prensá-la, formando um plissado dançante.

A roupa que dança, amo!

Quem quiser saber mais pode comprar o livro, lançado ano passado pela Taschen, em comemoração ao aniversário dos pleats. O nome é "Pleats Please". 


Na coleção, cores ganham uma dimensão imensa para o inverno 2014/15. Apesar de ter o branco total, teve também o oversize e muito vermelho. 
Parece loucura tudo isso. Um vai-e-vem sem fim de shapes e décadas revisitadas. 
Será que em 2050 falaremos em 2010 ou ainda nas décadas do século 20?Quem pode me ajudar a decifrar esse enigma? 

No street style: branco e rouge





E para não esquecermos que tudo tem uma história... Outros desfiles para amarmos a moda:





Geniais esses vídeos, produzidos pelo Style.com, com momentos do passado.



E no próximo post: Valentino... Aguardem!

É puro amor. Momento maravilhoso.
Perdeu algum dia da Paris Fashion Week? Confira nas minhas galerias do site da Vogue Brasil. Acesse: STREETSTYLE.

Bisous,
A+

Um comentário:

nana levoto disse...

Muito bom seu post Ana Clara, gostei muito do seu blog, principalmente pelas fotos e os looks que vc postou.
Abs
Nath Levoto
Na & Na Levoto
www.nanalevoto.blogspot.com.br

LinkWithin

Posts relacionados