Vogue Paris, Kate Moss, Daria Werbowy, Lara Stone, influência noir...

pretoblog
Abro com o preto total. Ele que volta para minha total alegria e despojamento. Cansamos todos dos exageros, fluos, babados, prints, enfim chegamos ao começo. Zerada total para eleger novos looks sem exageros??? Não! As capas triplas da Vogue Paris setembro trazem Kate Moss, Daria Werbowy e Lara Stone usando o mesmo vestido da Dolce & Gabbana. Nada de simplicidade, apenas luxo e sensualidade sem sexismo. Ponto. Faltam poucos dias para Paris. 

Confere a tríade de tops da Vogue: 





Bisous
A+

Paris verão 2012...Maximalismo...

blogalegria
Gosta de um exagero? Então aproveita porque ele parece estar com os dias contados. Falta um pouco mais de um mês para a semana de moda de Paris prêt-à-porter verão 2013 começar, enquanto isso eu reviso algumas imagens da alta-costura e dou palestras e cursos aqui no Brasil.
Sempre volto, ok?
Amanhã aula de Historias da Moda na Universidade Positivo em Curitiba.
Bisous
A+

RIP Anna Piaggi




Fico com o olhar de Anna Piaggi na mente. Essa foto marca um dos muitos encontros que tive com essa figura mítica da moda, morta ontem à noite na Itália. No começo das minhas andanças pela Moda Paris fiquei paralisada ao vê-la, mas foram apenas instantes, logo depois minha paralisação virou uma contemplação e gerou em mim um grande aprendizado. Anna era fofa demais. Doçura pura. A italiana, nascida em Milão, em 1931, foi uma pioneira no jornalismo de moda. Na década de 70 trabalhou na Vogue. Entre  81 e 84 trabalhou no projeto de implantação da Vanity Fair. Em 88, ganhou página dupla na Vogue Itália. Por fim trabalhou como colunista nos jornais Panorama e depois no L'Espresso. Nessa época, Karl Lagerfeld lhe dedicou um livro chamado "Anna Chronique". Mesmo com todo esse peso de experiência e sabedoria, Anna jamais me passou impressão de ser esnobe ou intocável. Sua imagem era colorida, controversa, uma bandeira de amor ao fashionismo:



A receita foi dada. Fico com essa boa impressão na mente: como alguém tão importante para o jornalismo de moda pode ser contestadora e divertida no vestir, mas simples no ser. Isso é a grande lição. Ela viveu no mais alto patamar de uma profissão, ela escreveu parte da historia da moda dos nossos tempos. Deixa um lindo legado para quem quer trabalhar nesse mêtier nos dias de hoje. Respeitar os outros, ser solícit
o e ensinar que moda é mais que vestir, é gerar uma atitude onde a cultura das aparências é apenas um detalhe para dar passagem a uma verdadeira riqueza: a interior. O saber muito sem querer trucidar os outros. Anna foi única. Espero ver mais pessoas como ela ao longo de minha vida. Mais construção, menos afetação.





Essa imagem foi publicada aqui no blog no dia da festa dos 60 anos da Dior em Versailles: 







Foi um dia lindo. Acompanhe aqui o começo do blog e um encontro que eu nunca vou esquecer. Anna esperava começar um desfile que também marcou um grande capítulo na vida de todos que estiveram ali. Eu tive essa honra e carrego comigo para sempre uma grande emoção ( fashionistas também amam, apesar de hoje tudo parecer, por vezes, meio frio!!!). Me orgulho de ter visto essa linda lenda ainda viva, antes da explosão de blogs e da disseminação da moda como algo até meio banal.
RIP ANNA. Tomara que suas sucessoras ( se é que elas irão existir) aprendam sua fórmula genial de viver a moda com exuberância, liberdade e simplicidade.
Voilà.
Bisous
A+

Minimalismo....

blogana
Volto à historia do minimalismo embora exista tanta maximalismo nessa vida ( parafraseando o poeta sim, porque como diz um amigo: eu não sou obrigada a esquecer os poemas para ser fashionista....). Tem dias que todas deveríamos pensar em usar um terninho. Não todas no mesmo momento para sairmos uniformizadas, estáticas, sem vida, mas numa ideia de simplificação necessária. Voltam os exageros, mas permanece a parcimônia. Em 2012, a moda se estabelece com esses dois pontos bem marcados. Falo em mini, mas vou mostrar ainda muito maxi. Sempre o contraponto para desmentir ou para dar novas formas de vestir a quem acha isso tudo muito simplinho. É chique, mas respeitemos as diferenças, afinal se partirmos do ponto que tudo que se usa em todo o mundo e por muita gente é moda, então temos modas boas e modas ruins e muitas modas... Voilà. Não tem outra explicação. Mas eu amo esse terno branco e tenho muita vontade de ter um!!! Para usar com que? Exatamente como ela fez: um belo colar e os cabelos meio desgrenhados. Sem bolsa ( amo a ideia!!!). Com os celulares, esses super necessários para todos avatares doidos conectados 24/24. 



Alana
Outra produção purista, poética e sem bolsa!!! Super 90's os dois looks, pensando bem e relembrando as últimas vezes que usei peças assim!!!!




Inspiração Instragram...


Cores e nuances de um fim de tarde em Paris...



Camuflagem num meio de tarde em Paris...


Entenda mais sobre esse texto lendo a minha na coluna Agora é moda do jornal Gazeta do Povo. Acesse aqui


Bonne nuit
Bisous
A+

LinkWithin

Posts relacionados