Buenos Aires Alta Moda, Chanel,Claudia Schiffer, Karl Lagerfeld, Maidana...

rua3rua
Em terras argentinas desde segunda-feira, eu passeio e tento me equilibrar com essas cinco horas de fuso horário que fazem a gente viajar no tempo.  Voltei ao passado, mesmo sabendo que a América Latina garante o futuro de muita coisa nesse planeta.  Buenos Aires é linda. Buenos Aires é típica. De dentro do táxi que nos leva para o Sheraton, local onde acontece o Buenos Aires Alta Moda, evento que me trouxe até aqui para falar de moda e alta-costura na terça, dia 5, data de seu encerramento, faço algumas imagens.  Um pedaço da sede do governo, de onde Cristina Kirchner despacha seus mandos para tentar melhorar (ou não, sem envolvimentos políticos aqui, é apenas um relato do que vejo, escuto e concluo) o estado dessa nação tão rica e cheia de histórias.  E um pedaço do céu visto da janela do carro.


altamoda
Voltando a falar sobre o que me trouxe até aqui.  O Buenos Aires Alta Moda dura até terça-feira, dia 5. Diferente das outras semanas de moda do mundo, aqui tem dois ou três desfiles por dia, o que para os jornalistas que vêm é um presente. Podemos descobrir as outras maravilhas da cidade, coisa que eu, logo depois de terminar esse breve post, vou fazer de câmera em punho.

Das raridades portenãs...

damas
De cara no primeiro dia passei pelo centro da cidade para ver os chapéus que meu amigo Abrãao Ferreira compra e que eu tanto pergunto se ele pode encomendar uns para mim. Fomos até a Maidana, uma tradicional chapelaria onde Karl Lagerfeld em pessoa escolheu os modelos que ilustraram a campanha de inverno do ano retrasado protagonizada por Claudia Schiffer e Baptiste Giabiconi, lembram?

 Achei na internet ( fonte IG) uma imagem para mostrar bem o chapéu de Claudia...



chapeu1
A modelo alemã esteve na loja quando fotografaram a campanha. Seu chapéu é masculino e custa... quase nada para os padrões internacionais de preços, mas vale muito!!!! Sabe por que????

chapeu
Por que é feito com o que tem de mais precioso na moda de alto luxo de hoje: mãos humanas. 
Amo isso. E admiro muito o trabalho de Karl Lagerfeld na Chanel e de tantas outras maisons francesas que valorizam o trabalho desses artesãos que são nada mais que artistas.
Bem, eu vou voltar na Maidana antes de ir embora, nem que seja apenas para ouvir da bem-humorada dona da loja que, se cruzarmos com Claudia, ela manda "saludos". Bien sür que cruzo. 
Besos
A+
Volto amanhã com mais novidades daqui.



PS: A Maidana fica na Av Rivadavia 1923
Tel: 00541149532257

Street-style 2011...

patadeelefante
Bateria de imagens inéditas para falar de moda, antes de embarcar em missão América Latina eu, minhas ideias e toda a bagagem de informação que colhi nas três temporadas de moda que cobri aqui em Paris nesse começo de 2011. 
O ano é de calças anos 70, eu tinha falado muitos dias atrás e também tirado as minhas do armário em outubro do ano passado. Tenho dois modelos. Um como o da foto, mais largo que pode ser curto para aparecer o sapato ou arrastar no chão e outro pata de elefante mesmo. 
Perfeitos para usar com camisa, camiseta, blazer, jaqueta de couro, com tudo. A exigência é não usar muito justa no bumbum...



shoes
Uma coisa interessante de colher da moda é a variedade enorme de saltos e modelos de sapatos. Ano passado foi o ano deles, agora as bolsas começam a voltar a ter destaque no look, mas mesmo assim, tem muita gente investindo no pé. Adoro. Sou louca por eles e poderia usar todos, sem excessão.

meninasinparis
Mas é bom falar sobre outros acessórios que eu me apaixonei na temporada: luvas. Não podemos viver sem elas no clima frio que rola aqui na Europa, então... Vamos comprar modelos mais elegantes, que façam a diferença mesmo. Com uma luva dessas quem precisa de muita firula na roupa? Não precisa e nem deve, a não ser que você seja Daphne Guinness, uma mulher que comporta os exageros que faz. Para fazer tem que encaixar, senão fica "looser". A temporada não é para isso. O modelo certinha total entra em desuso logo 
(aqui cansou), então se solta no comportamento, no sorriso e faz da tua roupa algo em perfeita harmonia com que você é. Você não é Kate, Daria ou Emmanuelle, você é você. Aprenda se olhando no espelho, estudando suas fotos e suas vivências com essa ou aquela roupa. 


mademoiselleagnes
Um bom exemplo de quem interpreta a roupa com louvor  é mademoiselle Agnès. A jornalista de moda francesa sabe andar de um extremo a outro, sem perder seu lado rock'n'roll. Ela é mais importante do que o que veste. Sempre.
Quem se atreveria a aparecer com um casaco imenso ( na vibe tudo grande que é pesada para a próxima temporada) e cabelos sempre desarrumados, senão Agnès? Ela sabe que pode segurar a onda. É um ícone de moda de hoje, lado francês. 

meninparis
E para fechar o meu post pré-embarque Buenos Aires uma imagem que colhi indo para um desfile durante a temporada. Moda real. Sem fashionismo, its ou freaks, alguém que usa e vive a moda cotidianamente. J'adore ça. Bon dimanche! Bom domingo!
Bisous
A+

Snap-shot Paris Primavera 2011...Umberto Eco, Cemitério de Praga, O Nome da Rosa...

childeninparis
Finalmente a Primavera brotou. Hoje era dia de pauta fotografia nas ruas. Depois de tantas aulas de moda de grandes profissionais nas portas dos desfiles, eu quero ver como é que na realidade a coisa engrena nesse começo de ano. Fui a dois pontos diferentes da cidade. Faço a pirâmide invertida e começo pela menina que cruzo no Champs Elysèes, bem no final da minha caminhada. Minutos antes desse momento, meu amigo, estilista brasileiro Danilo Ferreira me pergunta sobre o que eu acho de moda para crianças. "Não gosto", digo. "Criança tem que se vestir livre", completo. Estávamos no Marais em dupla missão. Ele no meu projeto. Eu no dele. A palavra é compartilhar, trocar e jogar para frente o que é para ser visto nesse momento. Crianças são o que existe de mais puro nesse universo. Devem permanecer em seus mundos, onde a imaginação é mais apropriada do que padrões, mas aqui vejo um futuro de moda. A menina ensaia os primeiros passos com louvor. Não veste nada padronizado. Aposto que foi ela quem escolheu tudo e cortou a franja sozinha. Linda. Um nascente de moda. Purismo para gente se inspirar e se for parar para olhar bem, vê: um óculos parecido com o da coleção da Prada verão 2011. Uma saia bailarina na vibe balé que é real na moda dos grandes editoriais e ainda os cabelos vermelhos que Taylor usa. 

No alto da pirâmide eu vi:

womaninparis
Essa senhora maravilhosa. A mais bem vestida do dia. Aqui a certeza: moda não tem idade e sim posicionamento. "Uau", penso e apresso os movimentos para tirar a câmera guardada na bolsa. Não posso perder essa informação tão preciosa. Claro que não vou interromper a conversa e fazer dessa foto algo ensaiado. Quis captar o inesperado momento. A elegância máxima dessa mulher. Isso é a moda Paris que tanto me inspira. Independe de lugar, classe social ou labels. É a essência que a gente tem que enxergar, para depois, tranquilamente, ir definindo nossas escolhas, dentro de uma influência maior, mas nunca esquecendo que somos únicos, mas vivemos em comunidade ( roupa tem que estar de acordo com o lugar e a cultura onde estamos vivendo).
Filosofando total, depois de ouvir entrevista maravilhosa de Umberto Eco ( na ativa aos 78 anos!!!) na televisão onde ele falou sobre a diferença entre o falso e a ficção. Falso é o que você inventa e não tem nenhuma conexão com a arte, não serve para nada, a não ser ludibriar ou coisa e tal. Ficção é a invenção que nos permite imaginar, aquela que abre caminho para um entendimento maior de coisas que a realidade muitas vezes deixa implícita ou por questões sociais não podemos abordar abertamente.
Umberto Eco é autor de muitas obras de sucesso. A maior delas "O Nome da Rosa" que deu origem a um filme em 1986. Relembre aqui em trecho com uma análise filosófica da obra. Achei por acaso ( depois de escrever que filosofei) agora no Youtube, mas como tudo foi se conectando para gerar esse post, vale ver com atenção:





Mais sobre: Eco lançou ano passado na Itália mais uma obra "Cemitério de Praga".
Vou ler. 


Bisous
A+
Quatro dias para embarcar para Buenos Aires.
Paris 9°C.

Stefano Pilati, Loleatta Holloway, Paris Fashion Week Fall-Winter 2011/12...

Pilatti
Stefano Pilati ensinando como usar um amarelo enorme na saída do desfile da Miu Miu, exatamente duas semanas atrás.  O estilista da Yves Saint Laurent não é figura comum, mas estranhamente estava no desfile da italiana Miuccia Prada. Devem ser amigos. Tinha uma italianada simpática nesse dia. Adoráveis italianos que alegram e colorem a moda Paris. Impossível desfazer essa conexão. O made in Italy é tão forte que até os franceses reconhecem que perderam essa para eles.  A mão de obra de moda na França ficou reduzida ao trabalho da alta-costura e a alguns pequenos ateliers e fábricas que não significam quase nada no panorama mundial. Li que existe um processo interno para tentar trazer o trabalho de fabricação para o país. Faz algum tempo que quase tudo que se compra na por aqui, mesmo tendo design francês, é feito fora. Bem, mesmo que exista uma reabertura do processo industrial francês vai levar tempo para ser significativo. Tempos de crise anunciam um novo posicionamento da moda, ainda mais com o que aconteceu no Japão, país prioridade para onde o luxo era direcionado nos últimos anos. Novos consumidores vão trazer novas modas. Anota e não esquece. Voltando ao fast fashion. Amarelo vai pegar e todas os moldes grandes também. Ruas, passarelas, tudo aponta para isso, mas não apenas isso. Nunca. Pelo menos, não agora...


Stefano Pilati teaching how to wear a colossal yellow coat on the way out of Miu Mius show, exactly two weeks ago. The Yves Saint Laurent designer it’s not an usual character, but oddly was at the Italian Miuccia Prada’s show. They’ve must be friends. There was lots of nice Italian folks around this day. Adorable Italians that color and rejoice Paris’ fashion. Impossible to break this connection. The made in Italy is so strong that even French recognize they’ve lost this one to them. The fashion workmanship In France is restricted to haute couture labour and a few studios and factories that don´t really have importance on the world scene. I’ve read that there is an inside process to try to bring manufacture labour back to the country. There’s been sometime that almost everything that is bought here, even if it has French design, is made abroad. Well, even if there is a reopening of the French manufacturing process it’s going to take a while to get expressive. Times of crisis foretell a new fashion position, even more with what happened in Japan, a key country to where luxury was pointed toward on the last years. New consumers will bring new fashions. Write it down and don’t you forget. Back to fast fashion.Yellow is a trend and also the large moulds. Streets, runaways, it all indicates to this, but not only so. Never. At least, not now...


As ruas apontam também...


The streets also indicates...

BLOG3
Para o continuìsmo do preto, branco, bichos. Look infalível. Óculos variados. Escolhas que partem da adaptação das vontades. É o fim da imposição, embora elas ainda encontrem lugares para se esparramar. Rola tudo o tempo todo...


For a Black doctrine, white, animals prints. Flawless look. A variety of sunglasses. Choices that happen from desires adaptation. It’s the end on imposition, although it still gets places to spread. It’s all game...


BLOG2
E sobre tudo uma onipresença de cores flashy em pinceladas ( como na unha da menina anterior) ou em tamanhos maiores. Vale camisa, calça, casaco, sapato, tudo cruzado. Vale até o cafonismo, desde que tenha humor ( vide Anna Dello Russo em seus dias mais pirados)... 


And above all an ubiquity of flashy colors in strokes ( as the nails on the girl before) or in larger sizes. It’s valid on a shirt, pants, shoes, all mixed. It’s even valid bad taste, only if it’s good-humoured ( see Anna dello Russo in her most insane days)…

BLOG
E ainda vale um mega capítulo para as calças patas de elefante ( que aqui aparecem sem elas, as patas, mas que mesmo assim você vai entender o que eu quero dizer!) Falei sobre elas, não? Se não falei é porque estava e estou guardando muitas imagens para soltar. Se falei é para repetir, pois elas são muitas e em cores diversas, tecidos idem e uma vibe apenas: a de reviver os anos 70. A elegância libertária de uma moda que não é desprovida de luxo, mas deixa a gente escorregar entre uma quase não elegância e, sobretudo, unida a uma atitude que diz "não estamos assim tão preocupados em ser certinhos ( lady like foi-se...perdeu-se em meio às saias que a fizeram enredar as pernas!!!), mas sim em sermos fiéis às nossas vontades"...Hedonismo.

And yet it’s worth of a huge chapter on flare slacks ( that here do not show up, the flare, but even though you’re going to understand what I want to mean!). I’ve mention those, haven’t I ? If I didn’t it’s because I was and am saving many images to release. If I did it’s to repeat, because there are quite many of them in the most varied colors, fabrics ditto and only one vibe: revive the 70’s. The libertarian elegance of a fashion that it’s not unprovided of luxury, but let us slid into an almost non elegance and, on top of that, united to an attitude that says “ we don´t really care of being so nice (ladylike is gone…lost in mid the skirts that made it entangled the legs!!!), but we do care in being loyal to our wishes”…Hedonism.


Entende? O mundo é assim hoje. Irradiação nuclear vinda do Japão passou por Paris hoje. A gente vive no macro. Quem pensa no micro erra profundamente e compromete a vida de milhões. Open mind, sil te plaît.
Compra as Vogues Brasil março e depois a de abril. Muitas fotos minhas por lá. 



Got it? That’s how the world goes nowadays. Nuclear irradiation from Japan was through Paris today. We live in macro mode. Who thinks it in micro is deeply wrong and compromise the life of millions. Open mind, please.
Buy Vogue Brazil March issue and then April. Lots of pictures by myself on it.



Um RIP enorme para Elizabeth Taylor e  Loleatta Holloway:


A huge RIP to Elizabeth Taylor and Loleatta Holloway:







Bisous
Paris 10°C
Eu me embrenho no meio da névoa da cidade e abasteço meu HD com as primeiras imagens da Primavera 2011.
Elas vêm no seu devido tempo. Preciso de degustação antes.
A+





Kisses.
I hide myself into the city fog and load my HD with the first images of 2011 Spring.
They come right in time. I need the previous tasting.


Translation by Juliana Cintra Mercadante

Taylor Thomas Hill...Keira Knightley, Coco Mademoiselle Chanel...

Taylor1
Tenho guardado as imagens de Taylor Thomas Hill com cuidado. Elas foram para Vogue Brasil, edição de abril ( aguardem! Muitas fotos minhas!) e para minha coluna Agora é moda da Gazeta do Povo de domingo que vem. Taylor foi hit na semana de moda de Paris. Uma mulher linda que domina a moda, que sabe seus passos, que não se deslumbra com as fotos, mas que é perfeita para elas. Cabelos vermelhos nem tão perfeitos assim. Lindo de ver. Reais. Taylor é quase surreal com sua pele branca e corpo magérrimo. Mas é real quando se deixa fotografar, sem receios.


I’ve been carefully keeping Taylor Thomas Hill picturesIt went to Vogue Brazil, April issue ( just wait for that! Many pictures by me!) and for my section Now is Fashion, next Sunday at the newspaper Gazeta do Povo. Taylor was a hot on Paris Fashion Week. A gorgeous woman that rules fashion, that knows her steps, that doesn’t get seduced with the pictures, but that is perfect for it. Red hair not quite perfect. Beautiful to see. Real. Taylor is almost surreal with her pale skin and skinny body. But it’s real when she allows herself to have her pictures taken, fearless.

Taylor3
Domínio não deslumbrado das peças mais bacanas que tem a seu dispor como editora de acessórios da Elle americana. Ver Taylor é tomar uma aula de equilíbrio, embora seja complicado entender como ela consegue incrementar sem deixar vazar o exagero. Poucas mulheres têm esse controle.


Power not dazzled by the coolest pieces that she has at her service as accessories editor for Elle America. Watch Taylor is like a class on balance, although it’s complicated to get how she develops it without excess. A few women have this Power.

Taylor2
Coloco Taylor no patamar das deusas que, com sua beleza que não cega, concedem aos que a observam o prazer de aprender a ser simplesmente humana, mas mesmo assim perfeita.  Uma boa lição de moda.
A blusa é Givenchy. O óculos da Dior é daqueles que tenho vontade de sair correndo para comprar e o resto, quem sabe?


I place Taylor on the goddesses platform that, with her non blinding beauty, allows the ones that have the pleasure to learn to be simply human, but even thus is perfect. A nice lesson in fashion. The top is by Givenchy. The Dior sunglasses is of that kind that makes me want to run to buy one for me and the rest, who knows?


Ps: eu sei que é tudo estudado na americana Taylor, mas mesmo assim ela convence e é linda.
Bisous
Paris lua cheia que me faz pensar poéticamente nas coisas.
Vê o filme novo da Coco Mademoiselle com Keira Knightley e baba com Paris:


OS: I know that it’s all studied by the American Taylor, but even though she convinces and is pretty.

Paris with a full moon that makes me think things in a poetically way.
Take a peek on the new Coco Mademoiselle film with Keira Knightley and drool over Paris:






Bisous
Até daqui bem pouco! 
Paris 7°C e lua bem cheia.



Kisses,
See you shortly!
Paris 7°C and a really full moon.

Gareth Pugh, Paris Fashion Week, Winter 2011/12...

Gareth2
Demorei, mas cheguei a Gareth Pugh e todo o seu essencialismo gótico. Criador elevado e respeitado como top ( é assim que a gente fala aqui na França, no Brasil a palavra meio que se vulgarizou, mas quando francês diz top é top mesmo e não pretensiosamente top...). Seu desfile foi logo no segundo dia de temporada. Fazia muito frio naquela noite e eu lembro que não tinha convite para entrar. Nunca tenho para Gareth e seu padrinho de criação Rick Owens, mas sempre entro...Depois que você fica um tempo frequentando as portas dos desfiles, começa a fazer amizades com os seguranças, as assessorias, o entourage. Tudo pode ficar mais fácil ou muito complicado. Depende da aproximação. A minha é sempre cool. Então, assim como no desfile da Dior, eu escorreguei educadamente para dentro com o consentimento de uma dura linha de frente da maison, no caso de Gareth e Owens aconteceu a mesma coisa. " Ok" me diz rapidamente o assessor de imprensa que parece ser super prepotente, mas não é.  Não faço pré-julgamentos nunca. Deixo sempre a maré correr. Regra n°1 para viver e sobreviver nesse mundo que precisa da imprensa tanto quanto precisamos deles. Duas vias. Vem e vai. Fácil quando a gente entende e aproveita.

It took me a while but I got to Gareth Pugh and his gothic essentialism. A sublime designer and respected as top (that’s how we say here in France, in Brazil this word kind of got vulgar, but when a French says is top is really top and not pretentiously top…). His show was right on the second day of the season. It was quite cold that night and I remember I had no invitation to get in. I never have for Gareth’s and his designer godfather Rick Owens, but I always get in…After a while hanging out on fashion shows entrances, you get to be friends with the security, the advisors, the staff. It all can get a lot easier or rather complicated. It depends on the approach. Mine is always cool. So, just like on the Dior show, I politely slipped inside with the consent of the maison’s tough front line, and on Gareths and Owens the same thing happened. “Ok” quick told me the PR that seems highly prepotent, but is not. I don’t judge beforehand ever. I always let tide flows its course. Rule#1 to live and survive in this world that needs the press just as much we need them. Two way road. It comes and goes. Easy when we get it and enjoy it.

Dentro da sala, muita gente TOP (para brincar um pouco!!!). De Daphne Guiness ao próprio Rick Owens que, mesmo tendo desfile no dia seguinte, prestigia o desfile do amigo e seguidor. E foi vendo essas relações e esses tratamentos entre grifes, imprensa e as pessoas que os seguem que comecei a gostar cada vez mais de Gareth ops a gente pronuncia: " Garrét".  As roupas tem sempre um mesmo apelo. Fidelidade total a um estilo cheio de apaixonados. Genial em uma marca tão jovem. A tal identidade que tanto se cobra, busca e encontra em marcas como Chanel e Dior e não se vê nas maravilhosas roupas da Louis Vuitton, por exemplo. A identidade da Vuitton é a bolsa. Pronto.

Inside the room, lots of TOP people (just to fool around a bit!!!). From Daphne Guinness to Rick Owens himself that, even with his show taking place on the next day, gives prestige to his friend and partisan. And seeing this connections and this relastionships between brands, press and people that follow them is that I ended up liking Gareth even more, oops, we say it : “Garrét”. The outfits have always the same appeal. Total loyalty to a style filled with enthusiasts. Brilliant to a label so young. It’s the ID that is so in demand, looked for and it’s found in labels like Chanel and Dior and not seen on the exquisite outfits by Louis Vuitton, as an example. Vuitton’s Id is in the bag. Period.
 

GAZETA
Mas em Gareth existe toda uma cadencia, uma fórmula feita e refeita dentro de um mesmo molde. É uma moda que corre pelo lado de fora das tendências ( mas pode se harmonizar com elas!).

But in Gareth that’s a whole cadency, a done and redone formula inside the same pattern. It’s a fashion that runs from the outside as trends goes ( but it can coordinate with it!).


gareth4
Ela segue uma linha de ordem de criação. Uma roupa para quem quer arte usável. Não é complicado o Gareth de 2011. No começo de sua carreira, parecia que a roupa não ia amolecer, mas amoleceu. Abriu fendas para o corpo se movimentar entre armaduras mais maleáveis. Disse que ele é gótico, é a pegada mais próxima em seu estado bruto, mas os toques comerciais tiram as peças da escuridão.

It follows a thread of designer order. An outfit for those who want wearable art. It’s not complicated the 2011 Gareth. Early on his career, it looked like his clothes would not soften, but it did. He opened slits so the body can move between more malleable suits of armour. I’ve said he’s gothic, on its raw state it’s the closest trend, but the commercial hints bring the garments out of darkness.


gareth5
Mostram um encontro entre uma filosofia de trabalho e a necessidade de comercialização. Quem não se fideliza a essa fórmula fica de fora da roda da fortuna que gira para sustentar a moda.

It shows an encounter between a labor’s philosophy and the need of commercialization. Who does not stick by this formula stays outside the wheel of fortune that spins to support fashion.


gareth3
Gareth encontrou a mão boa. Free way para ele.  Consegue atravessar de um lado a outro com facilidade. As peças douradas podem ser misturadas a bases simples. Os sapatos podem andar juntos com a roupa carregada ou super funcionar com uma roupa de seda...

Gareth found his way. Free way to him. He can cross one side to another easily. The golden pieces mixed with simple basis. The shoes can carry on the heavy outfit or nicely work with a silk outfit…



Gareth
E a seda, ela mesma, conseguiu penetrar o universo criativo de um jovem inglês que entendeu todo o processo de equilíbrio entre o querer ser um grande criador e ser um bom vendedor.
Je t'adore Gareth. Tenho vontade de uma jaqueta do primeiro look.  Ficaria perfeita com o jeans pata-de-elefante vintage de barra puída que tenho usado tanto.  Resgatei a peça no meu armário nesses primeiros meses de 2011. É super MAIS.

And is the silk, itself, that got inside the creative universe of a British youngster that realized the whole balance process between the wanting of being a great designer and being a good salesperson. I love you Gareth. I desire the jacket on the first look. It would get perfect with a flare vintage jeans with frayed hem that I’ve been wearing tons.  I’ve rescued the piece on my closet this firsts months of 2011. It’s super IN.



Bisous
A+
Paris 8°C
Daqui uns dias estarei em Buenos Aires, Argentina. Vou dar uma palestra dentro do evento Alta Moda.
A cobertura completa vai rolar a minha maneira por aqui.
Re-bisous
Merci por tudo!

In a couple days I’ll be in Buenos Aires, Argentina. I’m doing a lecture inside the High Fashion event.
The complete coverage it’ll happen in my way right here.
More kisses.
Thanks for all!

Vocês podem encontrar na edição papel da Vogue Brasil de março na coluna Miss V. Tem uma página inteira de fotos minhas.
E ainda rever todo o trabalho que eu fiz para eles na semana de moda: AQUI.

You can find on the paper edition of Vogue Brazil march issue the column Miss V. There’s a whole page of pictures by myself.
And still get review all the work I’ve done to them on fashion week. HERE.




Translation by Juliana Cintra Mercadante
juliana.cintra@uol.com.br


Carine Roitfeld, Dior, Riccardo Tisci, Giovanna Battaglia... Paris Fashion Week winter 2011/12...




IMG_9190
Giovanna Battaglia sempre faz a alegria dos fotógrafos nas semanas de moda. A italiana é umas das porta-estandartes das grifes que precisam se embrenhar pelo mundo com suas criações. Giovanna é perfeita para isso. Linda, jovem, magra e total dominatrix de misturas. Esse ano, ela abusa das peles e apareceu um dia com essa saia de franjas de miçangas coloridas. Uma das peças mais lindas que eu vi em toda temporada, dentre as milhares de fotos que fiz.  Ainda não sei quem fez, mas logo logo aparece por aqui alguém que conhece. Ah agora sei!! Missoni!! Abe acaba de me mandar uma mensagem!! Continuando... Sobre as it-girls (garotas que são algo): a fórmula é antiga.  Inicialmente ( e isso eu falo em cem anos) as escolhidas pelas grifes eram as atrizes de teatro, depois cinema e hoje são mulheres ou meninas ricas que tem um poder enorme de aguçar o desejo de consumo entre outras mulheres. Todo mundo quer ser Giovanna ou Julia ou Alexa ou Carine ou Anna e assim vai... Falando em Carine Roitfeld, ela provavelmente deve estar assinando o contrato com a Dior para ser diretora-artística ao lado de Riccardo Tisci.

Giovanna Battaglia always delights the photographers on fashion weeks. The Italian is a standard-bearer for brands that need to get a place in the world with its creations. Giovanna is perfect for that. Gorgeous, young, thin and total mix dominatrix. This year, she’s abusing of furs and showed up another day with a fringe skirt made of colorful beads. One of the most exquisite pieces of garment I saw this season, among the thousands pictures I shot. I still don’t know who made it, but pretty soon someone here will show up with the answer. Ah! Now I know!!! Missoni! Abe Just sent me a message!! Going on...About the it-girls (girls that are something): the formula is old. First ( and for this I means hundred years) the chosen ones by the brands were theater actresses, then movies and today they are wealthy women and girls that have an enormous power to foment the consumer desire on other women. Everybody wants to be Giovanna or Julia or Alexa or Carine or Anna and the list goes on…Speaking of Carine Roitfeld, she probably is signing a contract to be Dior’s artistic director along Ricardo Tisci.





Segundo versões extra-oficiais a dança das cadeiras fica assim:
Carine e Riccardo vão para Dior
Haider Ackermann vai para Givenchy.
Minha fonte são algumas matérias em revistas francesas como Paris Match mas ainda ninguém publicou um comunicado oficial da Dior. 
Desse jeito a coisa fica boa. Tisci não tem a mão para o que a Dior precisa. Carine sim. Ela vai saber dar o touch chique femme fatale francês que a maison sempre apresentou em suas criações.

By unofficial sources that’s how it stays:
Carine and Riccardo head to Dior
Haider Ackermann goes to Givenchy
My sources are some pieces by French magazines like Paris Match but there’s no official statement by Dior.
This way the thing gets going. Tisci doesn’t have the hand that Dior needs, But Carine does. She’ll have the ways to bring a French femme fatale touch that the maison has always presented in its creations.



Toques fortes da Paris Fashion Week:
Highlights from Paris Fashion Week:



IMG_0246

As saias compridas continuam. Vêm misturadas quase sempre com blazer. A textura é na grande maioria das vezes, plissada. Mas tem outros tipos. Vamos ver na sequência dos dias...
The long skirts continues. They’ve come almost always paired with a jacket. Big textures in most of the times, pleated. But there’s some other kinds.

IMG_7851

O jeans é vedete de novo. De todos os jeitos e shapes. A skynny vira clássica. Pode considerar. Agora a gente usa também com sandália e meias. Troca de estação sempre tem umas misturas meio esquisitas. Necessidade de conforto gerando moda. 
The switch of seasons always come with some weird mixtures. Need of comfort generates fashion.





IMG_0062
E o azul é mais em todos os tons. Tommy Ton fez a dobradinha blusão e sapato. A onda de combinar as coisas também volta. Pode ser sapato e bolsa ou o que você quiser, mas pode não combinar também. A única questão é uma certa harmonia relativamente obrigatória. O mundo já está um caos, a moda pede calma.

And blue is high in every hue. Tommy Ton wears the duo sweater and shoes. The trend of match-match also makes a comeback. It can be shoes and bag or whatever you want, but it can also not to match. The one and only question is a relatively compulsory and certain harmony . The world is already in a chaos, fashion asks for calm.




Bisous
Kisses
A+
XX


Translation by Juliana Cintra Mercadante





 

Londres, Portobello Road. Julia Roitfeld, Giovanna Bataglia...


Final de semana em Londres para respirar mais moda. Aquela em estado puro, a que tem uma ligação direta com a vontade do criador para depois virar objeto de consumo. Tão bom comprar em feiras, tão bom cruzar com Sara ( uma criadora de elementos para cabelo, mas também algumas roupas) no meio do mercado de Portobello Road.
Tantos elementos conhecidos, misturados, mas mais que isso, uma elegância que ultrapassa o entendimento. Fiz comprinhas também: uma blusa, um anel de serpente, a temporada é delas para contrapor às onças e deixar a bicharada bem viva nas estampas de nossas roupas e no design de nossos acessórios. Depois tem mais Londres e muito mais Paris.

Acompanhe as galerias na Vogue Brasil clicando aqui.

A weekend in London to breathe some more fashion. One in its pure condition, the one that has straight connection with its creator will for then later become an object of consuming. It’s so nice to shop on a street market, so nice to bump into Sara ( a hair accessories designer, and of a few clothes also) in the middle of Portobello Road market. So many known elements, mixed, but more than that, a refinement that goes beyond understanding. I did some shop too: a top, a serpent ring, it’s their season as to oppose the leopards and to let the animals quite alive on our outfits prints and on our accessories designs. Later more of London and much more of Paris.



Keep up with Vogue Brasil pictures here.






Durante a semana eu volto para suìtar tudo. 
Throughout the week I’ll come back to wrap it all up. 


It-girls...




Bisous
Kisses
A+
XX
Londres 9°C.


 
Translation by Juliana Cintra Mercadante


Kate Moss, Louis Vuitton inverno 2012...

Kate Moss foi a chave de ouro para fechar a temporada. O desfile da Louis Vuitton trouxe a transgressão, não escondida, para a passarela. Na real? Cada uma deveria vestir-se como bem entende. Kate é o maior exemplo disso. Tem total domínio sobre a roupa e o que é melhor: manda no próprio corpo. Dominactrice. Uma transgressora de todas as regras que continua sendo respeitada pelo mundo da moda e do business. Kate vende e pronto. Ela é a não falsificação. É real. A maravilhosa foto é da Marina Sprogis, minha super amiga com quem eu partilho as mesmas ideias de ver um mundo de moda com Kate como musa. Mais criação e menos cópia. Menos falsidade. Estilos sólidos ou não. As passarelas provaram que existem tendências, mas mais que isso, vontades diferentes. Kate é perfeita para isso. Um marco. Sai Galliano. Volta Kate. É a dureza francesa se rendendo ao magnetismo inglês. 
Confira a minha cobertura do desfile da Chanel para o site da Vogue Brasil acessando aqui

Kate Moss was the golden key to end the season. Louis Vuitton’s show brought transgression, not hidden, to the runaway. For real? Each one of us should dress up as it pleases. Kate is the ultimate example of that. She has total ruling over the outfit and what it’s best: she rules her own body. Dominatrix. A transgressor of all rules that still is respected by the fashion and business worlds. Kate sells and that’s it. She’s no fake. She’s real. The wonderful Picture is by Marina Sprogis, my great friend whom I share the same ideas of seeing a Fashion world with Kate as its muse. More creation and less copy. Less hypocrisy. Consistent styles or not. The runaways testified that there are trends, but more than that, different wills. Kate is perfect to that. A landmark. Out Galliano. Kate’s back. It’s the French toughness surrender to the British’s magnetism.
Check my coverage of Chanel’s runaway to Vogue Brasil’s website here.
 



Por enquanto vai concentrando entre muito feminina e casta ou totalmente masculina. Pense Stella MCartney. Pense Chanel. Pense Yves... A história se repete. 
For the time being it focus between over the top feminine and chaste and totally masculine. Think Stella McCartney. Think Chanel. Think Yves… the story repeats itself.








Som!!!!!!!
Sound!!!!







A primavera começa com Miles Davis tocando no rádio exatamente quando eu chego em casa exausta, devastèe, como diz a Marina.  A presença de Davis e Coltrane me traz de volta ao mundo. J'aime ça. 
Amanhã Eurostar para Londres.
Springs starts with Miles Davis on the radio at the exactly time I get home exhausted, destroyed, as says Marina. The presence of Davis and Coltrane brings me back to the world. I love it. Tomorrow Eurostar to London.




Paris 7°C
A+
Bisous



Translation by Juliana Cintra Mercadante
juliana.cintra@uol.com.br

Ruby Aldridge, Chloé, Chanel, Streetstyle...

Amanhã é o último dia da Paris Fashion Week inverno 2012. Tenho vivido tão intensamente esses dias que acho desperdício bombar tudo que aprendi aqui em um post apenas. São imagens que marcam a minha mente para sempre.  A moda anda meio diferente. Menos reallity show, apesar de tanta gente nas portas dos desfiles, mas a   pegada da hora é low-profile.
 Nada de exageros, nada daquelas paradas intensas para os fotógrafos, nada de Carine Roitfeld (apenas no desfile da Givenchy, onde ela trabalhou na preparação, mas eu não fui convidada dessa vez. Cortaram a imprensa brasileira, ainda não sei o motivo. Acredito que tenha a ver com Léa T. Palpite. É apenas uma suposição). O momento é cool mesmo. Nada de Rihanna com sua comitiva. O resistente é Kanye West. Mas esse  cansou todo mundo com uma barreira desnecessária de guarda-costas para chamar a atenção. Frustradas chegadas brother. E eu vi KW sendo barrado na porta da Balmain. Ele entrou, mas os seguranças não. Wrong password. Essa americanização da Paris Fashion Week cansou. Francês não gosta disso. Ele curte moda viva, informação, cultura e arte.  
Mesmo sem Carine e suas aparições, verdadeiras aulas de como usar bem algumas roupas, vimos as editoras de moda darem seus shows, mas foram mais discretas. Alternaram looks mais chamativos com outros simples. 
Anna dello Russo fez o Hi em um dia e o low no outro. Low naquilo que se pode esperar dela. 

Tomorrow is the last Day of 2012 Winter Paris Fashion Week. I’ve been living these days with such intensity that I feel is a waste to drop all that I learned around here in one post only. There are images that will stay with me forever. Fashion is a bit different. Less reality show, despite the crowd on shows entrances, mas the feeling of the time is low profile.
No excesses, none of that intense pit-stop to the photographers, none Carne Roitfeld (only at the Givenchy show, where she worked on the preparation of it, but this time I wasn’t invited. The Brazilian press was out, still don’t know the reason. I guess it has something to do with Lea T. A guess. It’s only a presumption). It’s really a cool moment. None of Rihanna and her entourage. The stubborn one is Kanye West. But this one got everyone tired with a unnecessary security barrier to call for attention. Frustrated entrances brother. And I saw KW being denied entrance at Balmain’s . he got in, but his security don’t. wrong password. This Americanization of Paris Gashion Week got weary. French people do not like it. They dig live fashion, information, culture and art.
Even without Carine and her appearances, true lessons of how to put outfits nicely together, we saw the editors leading some shows, but they were more discreet. They alternate out there looks with some more down to earth.
Anna dello Russo did the Hi one day and low the other. Low in what we can expect from her.


Ah, e os blogueiros famosos? 
Bryan boy passou dois dias e, discretamente, saiu de cena. Hanneli Mustaparta nem veio. Tavi desapareceu. Ainda existe um ou outro fazendo a linha socialite, mas ficaram mesmo os que ralam para valer.
Bem, eu tenho que falar no desfile da Chanel. Vulcão. A terra vai entrar em erupção, vamos ficar em meio à névoa.  Voltamos a batida do preto e quase nada de branco. É a visão Karl do momento. Ano passado ele pressagiou o inverno rigoroso que tivemos. Lembram da geleira? 
A imagem que deixou pulsando aqui é a da beleza de Ruby Aldridge.  Ela encara bem a beleza que a moda pede no momento. Aqui ela saia do desfile da Chloé, ontem à tarde. Depois volto com outros tantos texto sobre tudo. Agora minha cabeça ferve. Estou vulcânica também.

Ah, and what about the famous bloggers?
Bryan Boy spent two days, and quietly, left the scene. Hanneli Mustaparta didn’t even came. Tavi vanished. Still there is one or another doing the socialite scene, but the ones that stuck are the ones that really work hard.
Well, I’ve got to talk about Chanel’s show. Volcano. The Earth is going into eruption, we going to be inside the fog. We are back into black and almost none of white. It’s Karl vision of the moment. Last year he did foresee this hard winter we had. Remember the glacier?
The image that vibrates here is Ruby Aldridge’s beauty. She does face well the beauty fashion calls at this moment. Here she was leaving Chloé’s show, yesterday in the afternoon. I’ll come back later with much more texts about it all. Now my head is spinning. I’m also volcanic.


Mais fotos e texto no site da Vogue Brasil. Acesse aqui.
More pictures and text at Vogue Brasil website. Link here. 

Crédito minha imagem: Abrãao Ferreira. Ele fez a foto com a minha máquina, enquanto eu olhava algo na dele. Thanks. Adorei.
Muitos mercis à Paula Franchi que me assessora nessa semana em que me divido tanto entre blog, Vogue e Gazeta do Povo e vou ao meu máximo de tudo, inclusive de exaustão.
No ano em que completo 20 anos de jornalismo não poderia ter veículos melhores para exercitar meu trabalho.
E merci também aos meus anjinhos A e A por terem me ajudado a voar nesse momento...

My Picture by: Abrãao Ferreira. He shot it with my camera, while I was looking for something on his. Thanks. I loved it.
Many thanks to Paula Franchi that helps me this week when I have to split myself between the blog, Vogue and Gazeta do Povo and I give my best to the max, even till exhausting.
On the year I celebrate 20 years in journalism I couldn’t have better means to exercise my job.
And thanks to my little angels A and A for helping me fly at this moment…


Bonne nuit
Paris 9°C.

A primavera Hemingway se anuncia.
The Hemingway Spring announces itself.  
 
Bisous
A+


Translation by Juliana Cintra Mercadante
juliana.cintra@uol.com.br

Giambatistta Valli, Street-style, Vogue Brasil...


Blogada rápida entre uma dormida e um desfile. A coleção que Giambattista Valli apresentou hoje de manhã aqui em Paris foi de um minimalismo tão delicado e luxuoso que me deixou apaixonada pelo trabalho dele. Foi tudo muito perfeito. A roupa de Valli é para gente usar tem conceito e pegada comercial. Uma qualidade que todo estilista tem que ter. É tudo tão claro para quem vive nesse meio, sei que é, mas não custa falar para quem vê de fora com os olhos da necessidade de beber na fonte. Hoje me ocorreu esse pensamento. Como estou tão dentro da Moda Paris não vejo com tanto deslumbre quase nada, mas a roupa de Valli me deslumbrou. Vou dormir pensando nele, vou pesquisar sua vida e depois solto aqui para dividir com vocês. 

Nas ruas e na Vogue...


Flashy e animal print com base preta. Segue o meu fluxo no site da Vogue Brasil.
Estou baseada por está também nessa Paris Fashion Week. 
São dez fotos por dia com textos.
Link aqui.
Paris com lua crescente e previsão de 15° amanhã.
Primavera se aproxima.

Bisous
A+

LinkWithin

Posts relacionados