Chanel Paris Métier's d'Arts Paris 2011...Baptiste Giabiconi, Freja Beha, Karl Lagerfeld, Dior, Marion Cotillard, Pirelli...

Demorei dois dias para conseguir chegar a este post. Explico: Chanel Métier's d' Art aconteceu anteontem em dois turnos. Fui credenciada pela Vogue Brasil para fazer umas fotos da primeira apresentação, marcada para 15H30. 
Acabei fazendo um filme (vocês podem ver no final). A tarde estava escabrosa. Frio e chuva pressagiando um dia ainda mais caótico que aconteceu ontem. Mas no n°31 da rue Cambon, o lugar que foi o lar e a loja da mademoiselle Chanel desde quase sempre ( ele não começou ali, mas foi sua primeira boutique em Paris) nada poderia dar errado. Nem mesmo a luz difusa e amarela que complicou a vida dos fotógrafos. No universo Chanel tudo é perfeito e sabe por que? Por que a maison trabalha com humanismo, então existe o toque da vida, da criação artesanal, exatamente o que significava a coleção que a gente viu ser desfilada em uma sala onde não cabiam mais de cem pessoas. E onde a gente ficava sentando em sofás com os pés em cima deles mesmo. A coleção feita pelos artesãos da Chanel tem o tema Byzance. Bizantino. 

It took me two days to be able to get to this post. I’ll explain:  Chanel Métier's d' Art took place a Day before yesterday in two shifts. I got credentials by Vogue Brazil to shoot on the first shift, scheduled to happen at 15h30.
I ended up making a movie (you can watch it on the end of this post). It was a rough afternoon. Cold and rain signing an even chaotic day than the day before. But on Cambon street, 31, the place that was mademoiselle Chanel’s home and store since almost ever (it didn’t start here, but it was her first shop in Paris) nothing would get wrong. Not even the yellowy and spread light that made the photographers life hard. On Chanel universe everything is perfect and you know why? Because the maison works with humanism, so there’s the life touch, the craftsmanship creation , exactly what meant the collection we saw on a runaway of a room that could not hold more than hundred beings. And where we sat in couches with our feet on top of them. The collection made by Chanel’s artisans had Byzance as a theme. Byzantine.



Constantinopla foi a capital do império Bizantino. Hoje ela se chama Istambul e foi para là que Karl Lagerfeld dirigiu a coleção rica em detalhes como as pedras,  os bordados, os colares que ornamentavam os vestidos, casacos, capas, botas, bolsas. Uma coleção Métier's d'Art é para exatamente destacar a riqueza dos trabalhos feitos pelos ateliers de arte que a Chanel comprou alguns anos atrás.  A coleção completa você pode ver aqui ou no vídeo no final deste post. Tem mais graça, pois é ao vivo e sem cortes de edição. Montei do jeito que filmei. Artesanal aussi

Constantinople was the capital of the Byzantine empire. Today is called Istanbul and was there Karl Lagerfeld went to direct a collection precious in details as beads, embroideries, necklaces that embellished dresses, coats, capes, boots, bags. A Métier's d'Art collection is made exactly to stand out the embroidery opulence made by the art studios Chanel bought a couple years ago. The whole collection you can see it here or on the video at the end of the post. It’s more fun, because it’s live and not edited. I did set up the way I shot. Also handicraft



As surpresas: 
The surprises:

Bizantine1
Na saída ganhamos essa edição limitada elaborada por Peter Philips ( diretor internacional de maquiagens da Chanel). A preciosidade se chama " Lumières Byzantines de Chanel" e são iluminadores para gente usar cadenciados entre olhos e rosto. As luzes do Oriente viraram uma edição limitada de 1500 exemplares, feitos especialmente para o lançamento da coleção Pré-inverno 2011/2012 que vai para as lojas em junho do ano que vem. 


On the way out we won this limited edition by Peter Philips ( Chanel’s international make-up director). The treasure is called " Lumières Byzantines de Chanel" and are iridescent powders that we can wear on face and eyes harmoniously. The East radiance became a 1500 samples limited edition, especially made  for the launching of 2011/2012 Pre-Winter collection that will hit the stores by June next year.




E também...
And also...

bi

Os fragmentos bizantinos de Karl Lagerfeld. Um livro maravilhoso de gravuras com um presente mais do que especial dentro: 


Karls Lagerfeld’s byzantine fractions. A wonderful print book with an one of  a kind gift inside:




karl
Uma gravura numerada e assinada por Karl Lagerfeld. Coleção que entra para história mesmo. 


A signed and numbered print by Karl Lagerfeld. A made to history collection.


Curte o vídeo que foi para Vogue Brasil e entende o que significa a intimidade da Chanel com trilha do Pink Floyd e Baptiste Giabiconi lindo sempre no meio de tudo. Ele e Freja foram novamente os destaques da apresentação: 


Enjoy the video made for Vogue brazil and understand what it means the Chanel’s familiarity with a sound track by Pink Floyd and always in the middle of all that the handsome Baptiste Giabiconi.






Tinha deixado para publicar ontem, mas acabei sendo abduzida pela neve e pelo caos que tornou Paris uma cidade sitiada ontem.
Caminhei mais de duas horas pelas ruas até conseguir chegar em casa no meio da noite. Fui a um aniversário e de repente não tínhamos mais nenhum meio de transporte que não fosse nossas pernas. Voltamos aos tempos antigos. Voltamos a uma época em que o barbarismo pode avançar em nossa direção a qualquer momento e de repente nada mais importa: a bolsa Chanel que eu carregava foi parar dentro de um saco plástico. A uma certa altura eu nem me lembrava mais que ela existia. Queria mesmo era chegar em casa.
Gelo no chão que transformou as calçadas da cidade em uma pista perigosa.
Caos. Mas em frente. O making-off do calendário Pirelli que Karl Lagerfeld fez com muita arte. Quem acha mesmo que ele está no fim da carreira? É auge baby.


I was going to publish it yesterday, but ended up caught up on the snow and all the chaos that turned Paris in a besieged place. I walked on the streets for more than two hours till I got able to get home on the middle of the night. I went to a birthday party and suddenly there was no transportation that wasn’t our legs. Back to the old times. Back to a time where savagery could go in our direction at any time and then nothing matters at all: the Chanel bag  I carried ended up on a plastic bag. At a certain time I did not even remember that it existed anymore. All I wanted is to get home.Ice on floor transformed the city sidewalks on a dangerous skating rink. Chaos. Forward.Pirelli calendar’s making off that Karl Lagerfeld made with great skill. Who still thinks he is at the end of his career? He’s on top baby. Easy….






XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX
Calma...
Ainda tem:
Still:


E o filme da Dior com a última parte da Lady Dior com Marion Cotillard:
Dior’s short movie with the last part of Marion Cotillard and the Lady Dior bag story.





Bisous
Kisses

A+
Hoje eu não saio de casa nem para nada nesse mundo. Nem para o lançamento da exposição da Bulgari no Grand Palais. Essa eu vou ver de dia e depois que o gelo tiver bem derretido.
I won’t leave the house for nothing in this world today. Not even for Bulgari’s exhibit launching on Grand Palais. This I’ll see by day time and after all the ice is pretty melted.


XXX


Translation by Juliana Cintra Mercadante

4 comentários:

Renata Nogueira disse...

Incrível! Tudo lindo! Apaixonei com as sandálias rasteiras. E a trilha sonora?! Por essas e por outras admiro muito o trabalho do Kaiser! Um beijo!

Renata disse...

Olá Ana, adoro seu blog!! Gostaria de uma ajudinha sua se possível. Então me formo no começo do ano e queria que você me ajudasse com o vestido, queria alguma coisa chique, ousada e que seja sensual sem ser vulgar!! se você puder me passar algumas fotos ou me mandar alguns sites eu agradeço!! meu email é re_gfet@hotmail.com
Obrigada, Renata!!

choicesmultiple disse...

Meu Deus, adoro aquele vestido longo branco e polvilhado de prateado!
Adorei o vídeo, fico feliz por a Casa Chanel preservar encontros exclusivos em que faz desfilar sua obra, tal como Coco o fez e teria querido manter. Admiro a própria Casa não só pela criatividade e elegância, mas sobretudo pelo seu contributo às artes e, actualmente, através do seu novo Sublimage, à subsistência de culturas nos Himalaias,e também por privilegiar o artesanal.
Marion Cotillard não podia ter sido melhor escolhida para personificar a Lady Dior. Adoro o chapéu género pavão e o mural que é desenhado, a preto, com as mãos!
Excelente post!

Roberta Torres Acessórios disse...

adorei o post. parabéns

LinkWithin

Posts relacionados