Moda Paris: Drouot, YSL, Sienna Miller, Milénium, Rick Owens, Stella Mcartney...


Hoje é o dia das roupas vintage de Yves Saint Laurent irem a leilão na Drouot. O lugar é um dos mais conhecidos de Paris por realizar vendas a partir de cotação mínima de preços e vários compradores de todas as partes do mundo. Ontem conheci. Fui até a sala 5 do segundo andar de um prédio com salas forradas de carpete vermelho. Uma sensação meio estranha me invadiu na chegada. Mas ela logo de dissipou. Comecei a ver as raridades contidas naquele espaço, penduradas em araras e cabides vagabundos, arrumadas em vitrines estranhas. Mas tudo raro como um vestido de 1958 de Yves Saint Laurent para Christian Dior. Mítico.




Nada se cria, tudo se copia, depois de Chanel e Yves? Não é bem assim, mas a sala da Drouot me deu uma aula de Yves e todos seus anos de criação. Tudo vintage. Tudo usado.




Algumas coisas em excelente estado.





Outras não. Fiquei ali uns três quartos de hora. Mexi, experimentei, vi os preços e constatei que prefiro ter este Yves vintage na minha mente. Confesso que fiquei meio saudosa. Meio tocada. Como se eu tivesse invadido um espaço que não era meu. Tudo é de Yves ainda. Suas roupas tem vida e toda uma história de viagens físicas e mentais.




Muitas fases dele foram piradas pelo uso de drogas e álcool. Nada é segredo quando se trata de sua biografia.



Ele deixou claro no seu trabalho a influência de uma vida entregue aos prazeres e ao amor que, ficou bem colocado nas paredes ao longo da sala embolorada. Seus famosos desenhos de corações eram lançados em alguma promoção sempre na data de Saint Valentin, 14 de fevereiro. O leilão rola hoje durante todo o dia e as peças começam a custo mínimo de 70 euros. Tem tudo. Bijus, sapatos, lenços, roupas e casacos de pele.


Saindo dali...


Dei um pulo no Palais Royal para ver a boutique da Stella Mcartney. Era tarde. E o clima anunciava o fim de um dia de sol maravilhoso e o começo de uma noite fria...



A loja da Stella é maravilhosa. Saí com a whish list transbordando. Na vitrine, o macacão da campanha protagonizada por Kate Moss.


Quase ao lado, a loja de Rick Owens. Um barato. Ele consegue realmente sempre me surpreender. Depois volto ao Rick e sua loja. Hoje tomei coragem e coloquei no pescoço o lenço que ganhei no desfile de primavera-verão feminina. Resolvi perder o medo de Owens. É como se você chegasse perto de um trem fantasma, mas é tudo de mentira, é para assustar, mas não faz mal. Na real, ele é um grande criador que tem em Iggy Pop um mito, mas que não trabalha no negativo. Sua roupa é linda e boa e cara...


Voltando a Londres...

Coleção de Sienna Miller e Savanah. As duas irmãs se apresentaram como estilistas na London Fashion Week e este é o resultado.



Tudo comercial e street-style. É tipo um copie cole do que se vê as mulheres usando para ir aos desfiles de Paris de gente como Rick e Stella.



Sem tirar e nem por. As calças, os blazeres, as camisetas de coração ( viva Yves) e tudo mais. Não tem erro fazer roupa para vender hoje. O complicado é criar.


Saiu o filme "Milénium" na Suécia. A trilogia de Stieg Larrson é fênomeno de vendas no mundo todo. Eu estou no terceiro livro.
Tem noites que sou abduzida.
Para quem conhece ou se interessa, o teaser do filme:




Bisous
A+

Um comentário:

poor guy fashion victim disse...

Olá, como está?

Adoro Rick Owens.É bom demais.

Já viu as peças do Jeremy Scott para a Adidas na Colette?

Depois conte como são que eu só ainda vi os baskets.

LinkWithin

Posts relacionados