Moda Paris: Ben Matthews, Body Shop, Museu das Artes Decorativas, Nathalie Rykiel, Roberto Cavalli, Sonya Rykiel...


E os 40 anos de carreira da estilista francesa Sonya Rykiel ganham retrospectiva no Museu das Artes Decorativas em Paris. A criadora começou em 1968 com uma loja que tem até hoje em Saint Germain.
"Sonia Rykiel, exhibition" é uma retrospectiva que vai até 19 de abril de 2009...



A maison Rykiel nasceu em maio de 68, um dos períodos marcantes do Século 20. Tempo de revoluções que determinariam uma grande mudança na estrutura político-democrática do mundo inteiro. Foi bem aì que Sonya iniciou seus trabalhos. A princípio sem grandes ambições, pelo que conta a história.


Sua roupa tem como uma das marcas registradas o tricô. A chamam de "rainha" dele, mas ela vai mais além e determina cores, estampas, formas e uma atitude feminina que rompeu o século 21 em grande estilo. Eu, quando penso em Sonya, tenho brilhos, cores e formas muito sensuais na mente.




A mostra parisiense traça todo este percurso e categoriza a estilista como alguém que foi mais longe do que fazer pulôveres inteligentes, chiques e divertidos. Rykiel é colocada no patamar de grandes criadoras da moda contemporânea.


Depois de trabalhar anos sozinha, hoje conta com o trabalho de Nathalie, uma de suas filhas para tocar o trabalho de toda a maison e ainda a Modern Vintage. Hoje eles produzem o masculino, feminino, infantil, acessórios e até sexy-toys divertidos...
Encontrar suas roupas? Em cidades como New York, Londres, Milão, Berlim, Bruxelas, Moscou e Boston.




E falando em grandes damas da moda adorei a frase que Vivienne Westwood disparou em uma entrevista a um jornal. Ela não gosta de ser chamada de excêntrica. Um filme está em fase de pré-produção sobre a vida da estilista inglesa. A atriz que vai interpreta-la é Kate Winslet...



Falando em aniversários, a Roberto Cavalli homem faz dez anos em janeiro de 2009. Amo Cavalli. Para mim, o estilista italiano conseguiu atravessar o estilo cafona e hoje fazer uma roupa linda, sem os exageros de algum tempinho atrás. Estes dias encontrei com ele na saída da exposição que a Suzy Menkes no Museu Galliera. Sua figura simpática e divertida me conquistou mais ainda. Sempre com o charuto na mão vestindo jeans e blazer. Adorável.






E surge um novo termo: recessionistas. Os consumidores que levam este nome são controlados, mas gastam bem. Isto quer dizer despender dinheiro com coisas bacanas, sem estourar os créditos. O movimento ganha força com o uso de roupas simples ( aì entra o grande retorno ao clássico!!!). A Body Shop se adianta e lança a sua linha ecológica para as festas de Natal. Os produtos estão nas lojas e se chamam em francês " « le luxe sans se ruiner ». O luxo sem se arruinar.
Eu pratico o recessionismo faz anos.


Nesta onda também Ben Matthews. Ele é o comprador do site inglês net-a-porter e se encaixa na nomenclatura neo-minimalista...Também sou.


Nada minimalistas as garotas da Victoria Secret. Estes dias vi a Heidi Klum com o Seal em Paris. Fiz um texto ainda inédito que estará no meu livro. Vou publicar como canja aqui no final de semana...



Pode não ser novidade, mas apenas descobri hoje o site da Gwyneth Paltrow e suas escolhas de vida. Acessem www.goop.com




Para encerrar o salto torre Eiffel. Moda de andar nas alturas mesmo. Este é da Cindy Glass.

Bisous
A+

Um comentário:

Luciene Vieira disse...

Livro? Que boa notícia!

LinkWithin

Posts relacionados