Moda Paris: Agyness Deyn, Hugo Boss, Lindsay Loham, Victoria Beckham, Sonia Rykyel, tendências 2008/09...


Ufa, graças que as férias européias estão terminando. Não que eu não goste de Paris vazia e não que eu não goste de presenciar cenas como duas que vi semana passada. Antes de falar das tendências da reentrada (rentrée) conto as passagens de uma Paris "quase vazia". Estava eu ( e aqui a colocação do verbo depois do sujeito é proposital viu?) passeando num dia de chuva perto da Notre Dame. De repente olhei para o lado e vi Catherine Deneuve tomando um café como uma pessoa normal que é. Minha amiga não acreditou que uma atriz como ela poderia estar no meio da muvuca que se forma em torno da catedral. Estava. Vou deixar a outra passagem para amanhã, senão me estendo em histórias e deixo a moda de lado. E sabe o que é moda agora? O couro, as jaquetas perfecto e todo esse côté rock que a Agyness Deyn encarna tão bem quanto Kate Moss...




E falando na Agyness e nas minhas andanças por Paris passei ontem na porta do loja do Gaultier, aqui na avenida George V. Engraçado. Fui fotografar a vitrine com a campanha do perfume MaDame que a modelo é a garota-propaganda ( como chama no Brasil é assim ainda?) quando o cidadão vazou na minha foto. Gostei da imagem. Nem tudo é perfeitinho, aliás, nada na vida é.




Voltando às tendências: mais e mais versões do couro. O toque é anos 80. Total. Tire as suas do armário, se é que você não fez a mesma besteira de ter se desfeito da sua. Bem-feito ( rima proposital). Terei que carregar mais uma vez a minha whish list. Realmente o saco dos desejos não tem fim.





E lembra desta calça que a Victoria Beckham usou ano passado e que a Kate fez um comercial para a Longchamp? Então eles estão chamado de tregging. É tendência. Eu tenho uma. Uso com bata, casaco e um monte de coisa que tape o que a Posh mostra na foto. Não tenho a coragem dela. Gosto da idéia mulher-gato, mas não demais.



Que bom que ela voltou. Bem 80. Não guardei a minha. Wish list nela.



E a bolsa Zadig Voltaire, marca francesa que eu curto muito, é do mesmo time das calças de couro e das jaquetas rock. O bom é que a grife sempre faz este modelo. Para eles é básica. Para mim um clássico.



No baú das tendências tem também o coletinho de pelo, não pele! As camisas xadrez e a pantalona jeans circulam por aqui faz, pelo menos, uns dois anos.



E o vestido que a Lindsay usa nesta foto eu não sei se é da Sonia Rykiel. Confesso que não curto andar seguindo a vida das estrelas que andam expostas na mídia. Meu interesse é por moda, música e arte. Comportamento também. Fofoca não. Volta para o vestido: mas a Sonia faz estes modelos. São lindos e quebram o duro do preto de paetê. Peça para quem sabe não misturar muito. Gosto dele assim. Puro.



E o lilás para homens foi tema da minha coluna de domingo passado no jornal Gazeta do Povo. É tendência, entre outras tantas, para nós também. Eu não uso. Mas tem gente que fica bem. Gosto mais para os homens mesmo. Um mocassim, um casaco, um tênis...Bom, muito bom.


Pelas ruas...

As vitrines da Hugo Boss do Champs-Elysées são sempre divinas. O preto e branco por tudo. Dupla infalível, meu caro leitor...




Infalíveis também os shortinhos. Eles quebraram neste verão a hegemonia do "xiii esqueci" do ano passado. Ao invés de muitas saias, que não tapam quase "nada" ( ainda se vê uma ou outra), muitos deles...




Bem básicos como os pretos e càquis ( que também aparece nas calças de alfaiataria para usar com camisa xadrez!) ou ainda...




Na versão: "destruí minha calça jeans e ela virou um short bacana".
Vou destruir uma também.
Colocar fora? Nada nunca mais!
A moda anda em estágio menos gasoso, mais sólido.

Bisous
A+
Volto amanhã

Nenhum comentário:

LinkWithin

Posts relacionados