Moda Paris: Dior alta-costura verão 2008, Dita von Teese, Diane Kruger, Marisa Berenson, Bernard Arnault, Margareth Chirac,Hélène Mercier, Galliano...


E Dita von Teese tem tanto o espírito da Madame X, tema da coleção de alta-costura do desfile da Dior, apresentado ontem à tarde no Polo de Paris, que começo o blog de hoje com a imagem dela. Voilà: Dita imersa entre fotógrafos e curiosos em ver se ela realmente é a beldade que aparenta...E é...

E mais...

Em espera para ver o que Galliano ia aprontar dessa vez ou por onde ia passear, a família Arnault, dona do grupo que detém a Dior entre outras tantas grifes de luxo: Bernard e sua mulher Hélène Mercier fazem hora com Margareth Chirac. Importante contar nesse abre: ao contrário do que se falava ano passado, a alta-costura não está com os dias contados não. Segundo o Figaro Economie, as vendas dessas peças caríssimas cresceram 20% no ano de 2006 na Chanel, no mesmo ano Christian Lacroix teve um aumento de 40%. A Givenchy registrou 30% de alta em 2005. Os números da Dior não foram divulgados, mas se sabe que desde que Galliano pôs os pés na casa as vendas gerais cresceram oito vezes, tanto que o inglês pode fazer o que quiser com suas viagens históricas. E o fez novamente...Para meu delírio e de todos os privilegiados convidados da maison....


Vamos a ele....

Um caminho de panos, véus e piscinas foi montado no Polo de Paris. Em volta disso a gente ficava vendo tudo... O ti-ti-ti dos famosos, o corre-corre dos paparazzis e o desfile de moda protagonizado pelas "Diorettes" ....




Galliano pensou em Madame X. Uma mulher escandalosa que viveu no século 19 e ficou famosa em 1884. Pintada por John Singer Sargent, Amélie Gautreau-esse era seu nome real- tinha elegância-erotic como diz o material que recebemos no lugar marcado com nossos nomes para sentarmos ( a alta-costura sempre faz isso)... Fiz um pout-pourri de imagens para tentar dar o clima real do desfile. E o amarelo que vejo nas ruas continua na onda mesmo...Dessa vez é meio ouro para combinar com penteados enormes, argolas e sandálias idem....




Ainda segundo a Dior, Madame X era uma Salomé refinada, tinha mil facetas e foi esse espírito que a equipe de Galliano colocou na coleção... Me pareceu tudo tão sedutor mesmo e, incrível, a grande maioria das peças usáveis...



As cores são fortes, não chegam a ser cítricas e os volumes são diversos...



Mais uma vez a moda nos trai e confunde o que hà pouco se dizia que não iríamos usar mais. Um exemplo? Os balonês...




Viu!!!! Esse balonê vem em várias formas....Basta você escolher e reverenciar o seu. Particularmente é um formato de roupa que gosto...




A trilha era rock'n'rolleditada por Paul Morrys e tocada por Jeremy Healy e o ambiente mescla bem o que é a Dior hoje. Uma grife contemporânea ligada a histórias fortes do passado. Como disse um de seus diretores em 2007: foi-se o tempo em que Dior fazia camisetas rasgadas. O negócio agora é luxo puro e absoluto...




E essa Madame X ( adoro o nome) pode ser qualquer uma de nós na realidade. Pois a alta-costura além de vender para uma minoria, detentora de poder econômico para consumi-la, nos serve como base da mais pura e boa moda feita no mundo atualmente...


Aquela idealizada por figuras como John Galliano, a quem eu me curvo realmente pelo conjunto de sua obra. Galliano revoluciona sempre dentro do estilo de monsieur Christian Dior, assim como Lagerfeld no espírito de Coco Chanel, desfile que nós veremos no blog de amanhã...
Bisous
A+

Nenhum comentário:

LinkWithin

Posts relacionados