SEMANA DE MODA DE PARIS: prêt-à-porter inverno 2008 da Dior tem cores, luxo e muita pele, Balenciaga tira moda das ruas e Gaultier da Escòcia..


E Jonh Galliano continuou na viagem dos origamis e da década de 5O para fazer o prêt-à-porter de luxo da Dior outono-inverno 008. Uma explosão de cores fortes invadiu a passarela...







Os longos como o branco usado pela brasileira Flàvia Oliveira cheio de origamis ou preto, também com referências japonesas foram uma remessa à coleção alta-costura que o blog mostrou no final de janeiro...






A visita à decada de 50 também apareceu, apesar da coleção não ter sido "nominada" no material que a imprensa recebeu antes do desfile...







Mas quem jà acompanha o trabalho de Galliano sabe que no prêt ele faz um desdobramento da alta...Casacos enormes, amplos, bem « Audrey Hepburn ». Mantôs, tailleurs, vestidos e capas…Exageros nos saltos.







Fendas enormes para mostrar sensualidade com o aplique de bordados do atelier Lesage que faz esse tipo de trabalho para as maisons hà mais de 100 anos..







Os chapeùs foram feitos por Sthepen Jones em parceria com a Dior. A maior parte dos casacos tem detalhes de pele de raposa ou vison. Alguns são inteiramente em couro de cobra...Tudo luxuoso e comercial. As excentricidades foram deixadas de lado...







Quem também se apresentou ontem aqui em Paris foi Jean Paul Gaultier....Uma viagem à Escòcia com visita a outras fases...Aqui um vestido inteiro de crochê, especialidade dos artesãos da Gaultier...









Como é um mestre a gente respeita e tira o chapéu para ele: Gaultier faz mais do mesmo e faz bem...Esse xadrez amarelo, por exemplo, jà foi usado ano passado por ele...Estava em suas vitrines aqui da loja da avenida George V...








Tailleurs no marrom-terra ( tinha na coleção masculina), trenchs em diferentes versões como este comprido em tecido estampado ou ainda o maxi-casaco verde para usar por cima de um mini de paetês preto...





Essa mescla é que torna o trabalho de Gaultier tão especial. Porque fica dificil entender tudo sem saber que ele é um artista que busca referências em vàrios lugares e sobretudo nas ruas..





Então falar em Escòcia é apenas um mote, porque ele vai trabalhar outras coisas e a gente vai ter uma amplitude nesse ponto de partida criativo...






Por falar em rua quem foi para elas foi Nicolas Guesquière com uma coleção totalmente diferente do que ele tinha feito até agora para a Balenciaga...
Os casacos variam entre curtos, estilo colegial inglês, acolchoados e acinturados com enormes cintos ou ainda mais compridos também com a cintura marcada.






Na nova trip Balenciaga tem até batik nas estampas de alguns vestidos, tem saias curtas com pequenos babadinhos, tem sandálias que parecem feitas de brinquedo Lego e outros modelos como botas, mas com os dedos, ou melhor, as meias coloridas azul-turquesa, à mostra



Guesquière não gosta de comparações com o mestre Cristobal Balenciaga. Quer fazer sua própria história. E dessa vez fez um patchwork de influências culturais contemporâneas. Usa sobreposições, faz vestidos que não grudam ao corpo e que são estampados com referências África ou ainda um apanhado de tecidos com pedaços de franjas douradas...Tudo para dar um estilo pessoal ao trabalho da grife....

Nenhum comentário:

LinkWithin

Posts relacionados