Brasileiras X Gringas. O que vestimos melhor que elas?


Meu telefone tocou quase 1hora da manhã. Era a Luiza Garmendia ( minha sobrinha, blogger, publicitária e sócia na Garmendia/Press, entre tantas outras coisas que a vida nos faz compartilhar). "Nana, não concordo com teu post sobre as cuissardes. Acho que você foi muito agressiva, blá blá blá...). Eu, do lado de cá, bem sonolenta, argumento que não retiro nada do que escrevi e que realmente acho as cuissardes adaptáveis ao corpo das mulheres sem coxas fartas e minimalistas. "É minha opinião. Quero dá-la".  Luiza contesta um pouco mais, eu explico mais um pouco e desligamos o fone. Claro que a conversa fomentou a vontade de eu abordar mais o tema. De mostrar que, de maneira alguma, acho as brasileiras sem mão para a moda. Apenas temos características culturais e morfológicas muito diferentes das gringas e isso pode ser usado a nosso favor, ao invés de nos deixar como caricaturas. Não, não aceito ofensas anônimas de quem não curtiu. Quer se pronunciar? Faça como a Lu. Manda nome e telefone e argumente. Nada melhor do que isso para todos crescermos em qualquer assunto que seja. Onde ganhamos delas? Se é o caso de colocar em competição... São tantas coisas, mas eu amo essa foto da Luiza Sobral em Londres. Garota carioca que eu conheci aqui em Paris e acabamos trabalhando juntas já por duas temporadas. Uma maravilha de mulher, como dizem no Brasil. Linda, feliz, sorridente e dona de uma ginga que apenas a brasileira tem. 
Luiza atrai fotógrafos do mundo inteiro quando chega "sambando" em cima de uma sandália incrivelmente alta da Charlotte Olympia. Luiza sabe misturar a moda brasileira com a das gringas, sem descaracterizar nem uma e nem outra. Luiza tem humor e sabe não exagerar. Nem precisa. Já é exuberante.  As gringas, muitas vezes, não. Ela ri realmente. Ela é realmente o que veste. E é assim que a brasileira ganha da gringa. Na ginga. No ziriguidum cadenciado com a boa educação e, principalmente, fazendo de tudo isso algo muito natural. 

Bisous
A+


Elas vestem melhor que nós... Cuissardes...

Sempre que vejo uma gringa usando um par de cuissardes ( essas botas que cobrem parte das coxas, lembrando que cuisse em francês é coxa) fico maravilhada. Desde pequena tinha o sonho de portá-las, mas na verdade, nunca usei. Tenho a vontade, mas não as coxas para portá-las. Gringas têm pernas finas. Ponto a favor. Gringas simpliifcam o uso do acessórios. Elas fazem um absoluto equilíbrio entre o corpo, a roupa e o movimento. Gringas ( a maioria) não ficam vulgares ao usarem.  Quer mais? Gringas usam um par de cuissardes com se fossem um par de baskets ou qualquer outro sapato. Andam naturalmente, usam saias curtas que não mostram nada e fazem o look: "acordei e simplesmente minhas cuissardes entraram como uma luva numa manhã de corre e corre chuvosa". Parabéns para elas. Não às botas para nós. Reservem-nos as sapatilhas, os tênis, os scarpins. É um momento para aprendermos a misturar as coisas, sem alardes. Por um fashionismo brasileiro mais naturalista. Nada de ser telúrica ( ok, você pode adotar esse look), mas guardar a sensualidade, sem parecer fantasiada como uma dançarina de um show bizarro de tv. Ok que o carnaval está chegando, mas não somos porno-stars ou vedetes. Somos mulheres em busca de elegância. E ela não passa para nós pelo uso das botas longas com minissaias e diria mais: tampouco pelas botas com calça jeans, um hábito que destaca uma brasileira das demais a alguns metros de distância. Vestir-se bem não é estar na moda ditada pelas editoras de moda e sim entender o que podemos enquadrar no nosso life style e no nosso corpo cheio de curvas. 
Bonne nuit
A?


Paris hoje?
Uma inspiracão?

Arte nas ruas:



@anagarmendia

Bisous
A+


Diário de Paris... Streetstyle, Lou Reed... Repetto, Alexander Wang, Dress Down...



Como eu sempre faço com minhas fotos e pesquisas deixo-as dormindo um tempo. Aprendi anos atrás com Luis Fernando Veríssimo que devemos deixar os textos descansarem. Penso que as fotos também. É tão bom abrir os arquivos de imagens feitas no calor das emoções de exaustivas semanas de moda, um certo tempo depois que elas já não estão mais pipocando nas redes sociais. É sempre uma nova descoberta. Muitas imagens, no momento em que foram clicadas, me chegaram ao acaso. Nem me lembro se as fiz. É muito doido esse processo criativo de um fotógrafo intuitivo como eu. Na moda e na vida eu também levo tudo assim. Não sou didática, minha intuição me leva ao raciocínio que é óbvio. 

 Os dias em Paris tem sido incertos. Uns com chuva e outros com sol intenso. Não tive ainda o pique de descobrir em que parte da cidade vou achar algo realmente inspirador para uma bateria de fotos que tragam o novo das ruas reais, então vamos aos arquivos da Paris Fashion Week. Se a moda anda cansativa, sempre tem uma faísca nova.  Algo fresh e belo. E esse pode de ser o começo de uma nova fase ( aqui ela já existe). Para mim funciona assim. Ando com muita vontade de roupas confortáveis, mas isso não quer dizer que não sejam femininas. Ando com vontade de ser feminina. De andar de maiô com calça jeans e salto alto e apenas um quimono para me cobrir. Ando com paixão por roupa de ginástica. Nas lojas, a coleção de Alexander Wang para H & M mostra exatamente esse momento. 

E também é hora do dress down. Vamos nos despir de exageros e andar mais confortáveis. É o life style das grandes cidades que anuncia a necessidade. Salto alto como o da foto acima,é lindo, mas não funciona, apenas para momentos que não temos horas de locomoção. Senão é mico certo. O caminhar fica péssimo e a sedução e a feminilidade vão ralo abaixo. As parisienses não andam de sapatilhas porque amam, necessitam delas! Agora surgem as novas Repettos. Todas de bico fino. Anota aí a novidade. É QUENTE. 

Mas a saia longa da foto com o salto alto é ok. A silhueta em perfeita harmonia para o andar e o pull de malha apontam para um casamento bom. A seda com o tricô. Vale para o verão e inverno. Claro que aqui estou do outro lado do relógio de vocês. Eu ponho e vocês tiram. Mas rola aproveitar a ideia com uma malha cavada e manter a saia. Bom domingo. Essa semana estreia minha em casa nova. Vou postar aqui minha entrada no Caderno Donna da Zero Hora. Vai seu on-line. Todo mundo que curte, pode ler. 

Sons para amar:












Bisous
A+

LinkWithin

Posts relacionados